segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Bigode

    Onde estava meu irmão? Olho ao redor, mas nem sinal dele. O pátio já está quase vazio... Mais uma vez, ele se esqueceu de mim e foi embora sozinho. A maioria dos alunos já tinham ido embora e eu estava morrendo de fome. Peguei a bicicleta e saí. Era uma tarde demasiadamente quente para o outono, então depois de alguns minutos já estava muito cansado.
    Ao virar na minha rua, dois homens se aproximaram de mim. Olharam-me de um jeito estranho, e um deles perguntou:
    - Ei! O nome da sua mãe é Carla?
    Por um instante, congelei de medo. Sabia que se eu disesse o verdadeiro nome de minha mãe, eles usariam a informação contra mim e tentariam me sequestrar. Em um impulso, confirmei a falsa afirmação.
    - Ela pediu que você viesse comigo até um lugar... - Comecei a ficar muito nervoso, precisava ter uma atitude rápida. O meu prédio estava a apenas duas quadras.
    Vendo que eu acelerei e estava me afastando, um deles começou a correr atrás de mim e gritou:
    - Passa a bicicleta agora!
    Escutei um barulho peculiar, como nos filmes: o bandido saca o revólver e engatilha com aquele click característico. Nesse momento, estava na entrada do prédio e gritei para o porteiro:
     - Bigodeeeeeeeeeeeeeeeeeeee, abre a porta! - Todos os moradores o chamavam amigavelmente de Bigode, justamente por ser o seu traço marcante. Ele abriu o portão da garagem e eu entrei.
    Desesperado, joguei a bicicleta contra o muro e corri para o elevador. Fiquei agachado, acalmando-me e esperando que os assaltantes fossem embora para sempre. Depois de um minuto ou dois, ouvi um som ensurdecedor: um tiro!
    Apertei o botão do meu andar e entrei esbaforido em casa:
    - Manheeeeeeee, mataram o Bigode! - Minha mãe, chocada, quis saber o que acontecera. Depois de contar a história, interfonei para a portaria.
    - Bigode, você está vivo? - Mas que pergunta idiota, é claro que ele não poderia responder depois te ser acertado por um tiro.
    - Acredito que sim. Por que a pergunta? - Ele falava como se nada tivesse acontecido.
    - Eu ouvi um disparo de revólver!
    - Foi só a lixeira que caiu.
    Como assim? Com certeza, não foi a minha imaginação! Olhei pela janela, e vi os dois homens, causadores de tantas emoções, andando em direção à avenida como se nada tivesse acontecido. Felizmente, Bigode estava a salvo. Desse dia em diante, comecei a prestar mais atenção quando passava pela portaria.

Tamanho não importa - Meg Cabot

Título: Tamanho não importa
Autor: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Ano de lançamento: 2011
Páginas: 336
   Tamanho não importa é o terceiro volume das aventuras de Heather Wells (Tamanho 42 não é gorda e Tamanho 44 também não é gorda). A série é uma mistura de chick-lit e romance policial.
    Breve sinopse da série: Heather é uma ex-estrela da música pop e agora trabalha no Conjunto Residencial Fischer Hall. Sem lugar para morar, fica na casa de Cooper, por quem tem uma paixão secreta e que também é o irmão de seu ex-namorado. Enquanto está lutando contra a balança, alguns casos misteriosos acontecem em seu trabalho, deixando-a envolvida com as pistas e tentada a resolver os crimes, saindo-se melhor do que os verdadeiros detetives.
    Em Tamanho não importa, Heather fica sem chefe mais uma vez: o Dr. Owen Broucho é assassinado com um tiro, justamente em seu escritório. Apesar de ter prometido não se envolver no caso, ela não consegue aceitar que as investigações corram em uma direção totalmente errada. Como em todos os livros da autora, não consegui parar de ler até terminá-lo.
    Meg Cabot conduziu a história de uma forma muito divertida e instigante. Ah, e o final é perfeito! Não percam esta série!

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Aventuras à meia-luz


   Luz. Concentração, conforto, atenção. Curiosidade, incentivo, vontade. Mergulho. Surpresa, imaginação, realidade. Risos, diversão, alegria. Vento, chuva, tempo ruim. Choque, incredulidade, mágoa. Fuga, corrida, distância. Busca. Montanhas, vales, campinas. Perdida, desespero. Corrida novamente. Oásis. Tesouro, água, sol, sombra. Rede, descanso, paz. Estranhos, amigos. Conversas, planejamento. Tranquilidade. Tempo, hora, partida. Movimento. Encontro. Ansiedade, medo. Luta, desvio, ataque. Desvio, contra-ataque. Dificuldade, cansaço. Finalmente. Vitória, sucesso. Caminhada, retorno. Rios, florestas, montes. Casa. Reencontros, celebração. Felicidade, plenitude. Emoção, histórias, memórias. Lição. Regresso, emersão. Página. Contracapa, livro. Luminária, botão. Click. Escuridão.

Texto produzido na oficina de escrita criativa.

Sócrates e Thomas More - Correspondências imaginárias - Gabriel Chalita

   Dois amigos correspondem-se sobre a a vida, o abuso do poder, a natureza humana e muitos outros fatos e emoções. Com suas personalidades baseadas em Sócrates, o filósofo grego, e Thomas More, escritor inglês, trocam cartas e assumem suas opiniões sobre o mundo.
  Gabriel Chalita encanta com a sua forma de escrever leve e acolhedora. Um livro muito agradável e com certeza me fez ter vontade de ler mais obras do autor.

Título: Sócrates e Thomas More - Correspondências imaginárias
Autor: Gabriel Chalita
Editora: Geração Planeta
Ano de lançamento: 2011
Páginas: 128

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

História triste

   Mais um dia tórrido de verão. A rua estava deserta, a não ser por aquela senhora sentada em uma fina almofada na soleira da porta de sua casa. Tinha o cabelo todo branco, e em seu rosto estavam estampadas as marcas das primaveras vividas. Ou seriam invernos?  O relógio custava a andar, era como se o tempo tivesse parado. Não havia vento, não havia sons, somente a rua, e ela, imóvel. Cidade do interior? Não, apenas um bairro nostálgico em uma metrópole: inúmeras casas - ali prédios não imperavam.
   Se a rua era tão monótona assim, o que a senhora estava olhando? Impossível dizer, talvez a esperança de um olhar amigo, talvez o nada ou talvez buscasse memórias de tempos passados em meio aos últimos acontecimentos. Um gato branco com manchas cinzas saiu de dentro da casa. Tinha os olhos de um azul quase translúcido. Espiou o que acontecia do lado de fora e retornou. Ao fazer o caminho de volta, esbarrou em um gato relativamente mais gordo que aproveitava o vento produzido pelo ventilador de teto.
   A sala estava um pouco bagunçada, como se algumas crianças displicentes tivessem passado por lá. Mas, voltemos à senhora. Observando a calçada adiante, avistou dois vultos andando. Ao se aproximarem, percebeu que se tratavam de uma mulher com um menino pequeno pela mão. Felizes, passaram em frente a sua casa e a criança se entusiasmou ao ver os gatos. Infelizmente, a mãe o arrastou e sua distração afastou-se.
   Aquela estranha lembrou-a tanto de sua filha... Era uma pessoa maravilhosa e cheia de vida. Há cinco meses, ela falecera devido a uma série de problemas renais. Agora, seu neto estava tentando tirar-lhe a única casa, o lugar que tinha para morar. A vida prega tantas peças e nunca sabemos quando realmente é a última. Não sabia se preferia viver ou morrer, mas enquanto isso ia cuidando de seus gatos e levando... O tempo é implacável.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

A escolha de Sofia - William Styron

   Depois de quase dois meses, terminei A escolha de Sofia. Se eu gostei? É um livro acima de um simples gostar ou não, e com certeza não foi apenas mais um na lista de passatempos. Rico em detalhes e surpresas, o romance de William Styron tem uma trama abaladora.
Título: A escolha de Sofia
Autor: William Styron
Editora: Geração Editorial
Ano de lançamento: 2010
Páginas: 632
   Sofia Zawistowka é uma mulher polonesa sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz. Muda-se para os Estados Unidos, após perturbadoras provações, que infelizmente vem surgindo desde muito antes de sua estada no campo. Vivendo em New York, mantém um conturbado relacionamento com Nathan, um homem encantador e desequilibrado. Conhece Stingo, um jovem escritor, e desenvolve uma grande amizade com ele. Através da perspectiva do amigo e por vezes de Sofia, vamos descobrindo o intrincado e cruel passado dela. Que segredos essa mulher subvertida pelo destino esconde?
   A expressão "escolha de Sofia" é muito conhecida e indica quando se deve optar entre duas alternativas igualmente insuportáveis. Lemos capítulos e capítulos, e não conseguimos descobrir qual foi a tal escolha. Somente no final do livro temos conhecimento de seu conteúdo. Como é possível um ser humano passar por tantos traumas e ainda assim ter forças para se levantar a cada dia?
   Todos os personagens do enredo se tornam extremamente reais devido à abundância de detalhes. Assim que terminei a leitura, ainda podia sentir o sofrimento e a perseverança de Sofia. Considerado um dos melhores e mais polêmicos romances do século XX, A escolha de Sofia é um livro para ser saboreado aos poucos, dando um tempo de reflexão após cada passagem.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Os fantásticos livros voadores


   "Inspirado, em medidas iguais, pelo furacão Katrina, Buster Keaton, O Mágico de Oz, e um amor pelos livros, “Morris Lessmore” é uma história de pessoas que dedicam suas vidas aos livros e livros que devolver o favor." Um lindo curta-metragem em animação, não percam!



The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore from Moonbot Studios
 

* Concorrendo ao Oscar 2012 na categoria de Melhor Curta-Metragem!

Devido à reinvindicação de direitos autorais do estúdio que produziu este curta-metragem, estou com dificuldades em encontrar vídeos que possam ser exibidos aqui. Portanto, se desejarem assistir, procurem pelo título no YouTube. Peço desculpas pelo transtorno!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

O preço de uma lição - Federico Devito e Gutti Mendonça

Título: O preço de uma lição
Autor: Federico Devito e
Gutti Mendonça
Editora: Novo Conceito
Ano de lançamento: 2011
Páginas: 320
   O preço de uma lição é um livro encantador. Comecei a lê-lo por influência de uma amiga que me emprestou e o elogiou muito. Romance de estreia de Federico Devito e Gutti Mendonça, dois jovens brasileiros.
  Narra uma parte da vida de um rapaz paulistano (que até o final do livro não há indícios de seu nome). Ele nos conta sobre suas amizades e relacionamentos, mantendo o foco em seu amor por Juliana e o namoro dos dois. Assim que vamos continuando a leitura, percebemos o amadurecimento do protagonista ao longo do tempo.
  Apesar de ser um pouco extenso, o livro é muito agradável e rápido de se ler. Não apresenta grande rebuscamento nas frases, mas sim uma narrativa bem simples. Com uma temática jovem e realmente atual, retrata muito bem um pouco da cotidiano dos adolescentes brasileiros. Recomendo a todos que desejam uma leitura leve e com uma mensagem muito bonita.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

O Artista

 

   Em meio à nova tecnologia do cinema, filmes em 3D, animações perfeitamente reais e efeitos especiais, O Artista é um retorno ao passado: mudo e em preto e branco. Com 10 indicações ao Oscar, é um dos filmes com a maior bilheteria recentemente.
   Além de algumas passagens de Chaplin, nunca tinha visto cinema mudo. Foi muito diferente do que já estava acostumada, uma perspectiva totalmente nova. O filme se passa na época em que ocorreu a transição do cinema mudo para os primeiros filmes falados. Com música instrumental, não deixamos de perceber perfeitamente a mensagem do filme: às vezes, nem notamos que os personagens estão em silêncio.
   Com certeza, um bom filme para todas as idades. É indispensável para os amantes de cinema!

   Curiosidade: Infelizmente, a entrada de Uggie na Cerimônia do Oscar foi negada - o cãozinho já tinha até o seu traje preparado.

Matt Sayles/ AP - O cão Uggie, um dos protagonistas do filme. 

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Amizade rara

   Há muito tempo, havia duas amigas, na verdade, duas melhores amigas: Aline e Pietra. Se conheciam há tantos anos que não sabiam ao certo dizer desde quando a amizade existia. Em todos os momentos de suas vidas, uma estava lá para apoiar a outra.
   Apesar de seguirem caminhos diferentes, nunca se abandonaram. Pietra teve uma gravíssima doença infecciosa nos rins, e, mesmo com o tratamento, estava à beira da morte. Era casada e tinha dois filhos. Sua família estava muito abalada e triste. Ao saber do problema que a amiga sofria, Aline ficou transtornada. 
   Decidiu doar um de seus rins para Pietra, afinal, ela mesma não tinha filhos e a amiga precisava sobreviver para cuidar da família. Depois da cirurgia, as duas passaram muito bem e ficaram recuperadas. A amizade ficou mais forte do que jamais fora antes.
  Alguns anos mais tarde, Aline teve um diagnóstico de câncer de mama. Infelizmente, a quimioterapia não teve bons resultados e ela faleceu, porém, Pietra manteve uma parte da amiga para sempre dentro de si. Literalmente.


Essa é uma história de vida real, apenas com nomes fictícios.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Um mês

  Hoje é o aniversário de um mês do Palavra Sonhada! Estou muito feliz com toda a atenção e o carinho que venho recebendo de vocês, é realmente muito gratificante!
   O tempo que passei com este blog foi muito rápido: um verdadeiro sonho! Postagens novas, comentários, mudanças no template, aprendendo a editar html, pesquisando dicas para arrumar o layout, etc. Com certeza, aprendi sobre diversas coisas e sempre haverão inúmeros assuntos a descobrir. Adorei conhecer outros blogueiros e compartilhar esse mundo virtual: fico surpresa com o enorme talento dessas pessoas.
   Foi maravilhoso ver que a maioria dos meus primeiros leitores continua visitando o blog e comentando, fico lisonjeada com a presença de todos aqui. Muito obrigada!

domingo, 5 de fevereiro de 2012

O menino do pijama listrado - John Boyne

  O holocausto sob o inocente ponto de vista de um menino de 9 anos, filho de um comandante alemão. Diferentemente de outros livros sobre a Segunda Guerra Mundial, este é menos acentuado: a dor e sofrimento causados aos judeus está mascarada pelo olhar ingênuo de uma criança que ainda não sabe os efeitos da guerra. Entretanto, não se torna superficial - é preciso ir além do que está no papel para compreender a verdadeira mensagem da obra.
  Escrito de uma forma leve, O menino do pijama listrado é rápido de se ler. Apesar de não ser um dos melhores títulos do tema sob o meu ponto de vista, é um livro que, certamente, sensibilizará a todos.

Título: O menino do pijama listrado
Autor: John Boyne
Editora: Companhia das Letras
Ano de lançamento: 2007
Páginas: 192

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Nadando contra a morte - Lourenço Cazarré

Título: Nadando contra a morte
Autor: Lourenço Cazarré
Editora: Formato
Ano de lançamento: 1998 
Páginas: 96
  Hoje de manhã, uma amiga que coordena a biblioteca do meu colégio indicou-me o livro Nadando contra a morte, que ganhou o Prêmio Jabuti 1998 como Melhor Livro Juvenil. 
  É uma leitura breve, de 90 páginas, e conta sobre uma empregada doméstica de 14 anos que, após o nascimento de sua filha, a patroa obriga-a a entregar a criança para adoção. Em sofrimento e buscando uma solução para o problema, ela comete uma tentativa de suicídio, ao pular de uma ponte com a menina.
  Cada capítulo é uma parte do depoimento de pessoas que assistiram a cena e de alguma forma estão relacionadas com o desenrolar da história. Com uma narrativa simples e coloquial, percebemos as vidas que se entrelaçam por coincidências e pequenos acontecimentos, aparentemente insignificantes, mas que ao final, encontram-se e têm em suas mãos o destino de duas vidas.
  Apesar do nome e da situação angustiante, não é um livro sobre a morte. É uma trama sobre o tênue fio da vida e o motivo, indecifrável (porém não menos valioso), de estarmos aqui.

Água para elefantes - Sara Gruen

   Antes de ler, fui tomada por uma curiosidade e assisti ao filme. Fiquei maravilhada, uma história muito boa e inédita, cheia de surpresas. Demorei um pouco para começar o livro, temendo que se tornasse cansativo ler logo em seguida.
   Assim que comecei, não tive a menor dúvida de que seria ainda melhor do que o filme. Foi uma leitura rápida, não senti que os capítulos demoravam a passar. A história é sobre Jacob Jankowski, um jovem veterinário, que por acontecimentos trágicos em sua vida acaba se juntando à um circo, sem perspectiva de futuro. Lá, ele se apaixona por Marlena, mulher fascinante e esposa de um dos "chefes", e Rosie, uma elefanta encantadora.
   Com um ambiente muito diferente para nós, que raramente vemos um circo nos dias de hoje, é apaixonante habitar esse mundo vívido e rico em detalhes. Mais uma história de amor e sonhos, mágica, atraente e que deixou uma sensação de realidade.

Título: Água para elefantes
Autor: Sara Gruen
Editora: Arqueiro
Ano de lançamento: 2011
Páginas: 272

Selinho nº 04

  Essa semana ganhei outro selinho da Bel (Blogando com a Vida). Estou muito feliz com o carinho de vocês e os comentários, é muito bom saber o que estão achando do meu blog!
  Em breve o Palavra Sonhada vai fazer um mês de vida!

Meus indicados:
Palavras de Afeto
Jovem, Tolo, Feliz
Trinita

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Durmo para sonhar

   Volta às aulas. Recomeço. São nesses momentos que percebemos como o tempo passa rápido. Às vezes, torcemos para que aquele dia acabe, para que tal fase passe, porém, quando chega ao fim, percebemos o quanto foi importante e fundamental para nós.
   Como uma mensagem para o começo do ano letivo, e também, de certa forma, o início do ano, deixo esse vídeo inspirador: