sexta-feira, 30 de março de 2012

Melodia

Música. Essa palavra e tudo o que representa era o sentido de sua existência. Com ela, se expressava, chorava, pensava, ria, sentia, vivia. Fosse através de uma canção no rádio, simples notas em um instrumento, ou até mesmo os sons melódicos em sua mente. Com o pensamento aberto, um pouco de ruído já podia se tornar uma música. O simples som do vento formava combinação harmoniosa. Diziam que ela tinha o poder de transformar qualquer coisa em melodia. Quer fosse um talento, dom, ou uma habilidade adquirida com o tempo, Angélica não sabia como funcionava. Simplesmente existia. 

Aegon I, o Conquistador ou Aegon I, o Dragão

Biografia

    Aegon I nasceu em 672 a.C., em uma pequena vila de pescadores, na costa do Mar Mediterrâneo. Seu nome surgiu da mistura das primeiras sílabas de Aevis e Gonty, seus pais. Passou a sua infância aprendendo os ofícios locais, como a pesca e o artesanato. Porém, sempre teve o sonho de se aventurar pelo reino e um dia, tornar-se rei. No verão de seus 15 anos, fugiu de casa levando somente uma espada roubada e uma maçã.
    Era um rapaz de altura mediana, cabelos castanhos, brilhantes olhos azuis e um sorriso encantador. Apesar disso, não era muito bonito.
    Seguindo a estrada que levava para o Vale Rouxinol, utilizou-se da audácia para conquistar alguns bens pessoais. Desafiou um mercador e tomou seu cavalo; apossou-se das roupas de um homem que tomava banho no rio e furtou as moedas de uma jovem dama. Sua fama, ou melhor, má-fama, foi crescendo e propagando-se. Os viajantes temiam encontrar Aegon em seus caminhos. Certa vez, em uma brincadeira com seus fregueses, o dono de uma taberna deu-lhe o nome de Aegon, o Dragão, pois por onde passava, deixava um rastro de destruição e terror.
    Aegon I passou por diversas cidades e foi se tornando muito rico com suas novas conquistas. Depois de 6 anos, cansou-se de viajar e desejou estabelecer residência perto do famoso Rio Tâmisa. Mandou construir um castelo maior que o do próprio rei. Seus escravos trabalharam incessantemente por 7 meses e por fim, deram-lhe um magnífico palácio.
    O rei, profundamente ofendido, mandou que escoltassem o infame homem até sua corte. Diante do julgamento, Aegon foi condenado por roubo, falsidade ideológica, assassinato, estelionato e insulto ao rei. Aegon I, o Conquistador, Aegon I, o Dragão, morreu no calabouço do castelo real, entediado por, infelizmente, não ter mais o que conquistar.


Autobiografia

    Eu, Aegon I, o Grande Conquistador, nasci em uma pobre vila de pescadores na Costa do Mediterrâneo. Meus pais não incentivavam o meu sonho de ser famoso, obter riquezas e proporcionar uma vida melhor para a minha família. Então, obrigaram-me a trabalhar em coisas inúteis por 15 anos. Quando estava suficientemente crescido para fazer minhas escolhas e seguir em busca de meu futuro, deixei meu lar e iniciei minhas viagens.
    Com toda a radiante beleza da juventude, tinha uma esplendorosa altura, olhos azuis como o oceano Atlântico, cabelos brilhantes como as estrelas e um sorriso tão encantador que, por vezes, tinha medo de causar desmaios.
    Fui afortunado de encontrar pessoas tão solícitas que por muitas vezes doaram-me seus objetos de valor. Creio que Deus teve piedade de mim, um jovem de bom coração sem um tostão sequer. Fiz aliança com mercadores, viajantes, homens livres e belas damas, sempre me recordando de seus nomes para que um dia pudesse retribuir o bem que me fizeram.
    A inveja assolou meu nome e soube, por meio de meus informantes, que ganhara o apelido de Aegon, o Dragão. Oh, desprezível humanidade que não se alegra com o sucesso alheio. Um de meus sonhos, incentivado pelos contos de fada, era ter um castelo maior que o do próprio rei. Quando consegui, por fim, construir o meu tão desejado palácio, o rei me intimou a comparecer em sua corte.
    Fui injustamente acusado de muitos crimes hediondos. Condenaram-me a morte, e aqui, nesse calabouço, escrevo as minhas melancólicas e comoventes palavras finais.

Aula de Matemática

   Não haviam dias comuns para ele desde que a paixão irrevogavelmente tocara sua vida. Em todos os dias da semana podia encontrá-la, praticamente a qualquer momento. Ao acordar, cuidava do visual como se fosse para uma festa: passava perfume, penteava os cabelos rebeldes, ensaiava um sorriso deslumbrante. Em seu caminho para o colégio ia imaginando o reencontro... O que diriam um para o outro? O que sentiria ao tocá-la? Será que ela compartilharia seus segredos e desejos?
   Lembrava-se da primeira vez em que se viram. Não foi amor à primeira vista, como nos filmes. Na verdade, nos primeiros encontros, detestou-a com a mesma intensidade que a ama agora. Os anos se passaram e uma transformação ocorreu. Já conversara com ela sobre os motivos que poderiam ter provocado essa irreversível mudança. Talvez, a medida que a conheceu e foi descobrindo seus mistérios, tenha passado a admira-la e querê-la para si.
   A cada momento que passava com sua amada embrenhava-se ainda mais em suas incógnitas, revelando seus enigmas. Sentia-se atraído, como se mil forças agissem sobre ele.
   Hoje, ao chegar na escola, entrou na classe e sentou-se em seu lugar. Logo no começo das aulas a encontraria. Como se fosse a primeira vez, ansioso e tremulando levemente, abriu seu caderno e delirou com a visão obtida: a Matemática.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Mitos Gregos - Marcia Williams

Título: Mitos Gregos
Autor: Marcia Williams
Editora: Atica
Ano de lançamento: 2005 
Páginas: 40

   Neste livro de Marcia Williams podemos apreciar alguns dos clássicos mitos gregos em quadrinhos. Com um texto objetivo, conciso e e bem-humorado, focamos nossa atenção nas divertidas ilustrações. Apesar de ser um título infantil, é muito interessante para quem gosta de mitologia grega, pois resume algumas histórias de uma forma muito agradável. Ótima distração!
 Com as lendas:
  • A caixa de Pandora
  • Arion e os golfinhos
  • Orfeu e Eurídice
  • Os doze trabalhos de Hércules
  • Dédalo e Ícaro
  • Perseu e a cabeça da Górgona
  • Teseu e o Minotauro
  • Aracne contra Atena

O triste fim do pequeno Menino Ostra - Tim Burton

   Irônico, bizarro e genial, O triste fim do pequeno Menino Ostra e outras histórias é um livro que ficará na sua memória por muito tempo. Composto de pequenos poemas e ilustrações do autor, nos deparamos com personagens nada convencionais e histórias cheias de criatividade.
   Tim Burton é um dos maiores atores e diretores do cinema americano da atualidade. Perspicaz, de humor ácido e um tanto mórbido, nos encanta e surpreende com o enredo de seus poemas. Não podemos deixar de refletir sobre as críticas sociais por trás da trama aparentemente infantil.
    Os desenhos são uma parte importantíssima do livro, já que complementam e ilustram as histórias de uma forma muito melhor do que seria com adjetivos. 
   Pode ser lido de acordo com a voracidade do leitor: em menos de uma hora ou aleatoriamente, saboreando os poemas pouco a pouco.
Título: O triste fim do pequeno
Menino Ostra e outras histórias
Autor: Tim Burton
Editora: Girafinha
Ano de lançamento: 2007
Páginas: 124

domingo, 18 de março de 2012

Olhos de fogo - Helena Gomes e Kathia Brienza

Título: Olhos de fogo
Autor: Helena Gomes e
Kathia Brienza
Editora: Escrita Fina
Ano de lançamento: 2010
Páginas: 176

   Olhos de fogo estava na minha lista de leitura há muito tempo. Ano passado, eu conheci as escritoras Helena Gomes e Kathia Brienza. Elas são muito simpáticas e atenciosas! Helena chega em seu vigésimo livro publicado com este romance. Kathia estreia no mundo das letras ao lado de sua amiga e professora.
   Uma mistura de aventuras com um pouco da história de Pernambuco e as tentativas de invasão dos holandeses, muitas vezes contadas superficialmente nos livros didáticos. Pim Kiurlings é um jovem holandês que vive no Brasil com seu pai. Ao se mudarem para o vilarejo de Tejucupapo, misteriosos assassinatos começam a acontecer.
   Com uma narrativa cheia de suspense e emoção, fiquei cada vez mais curiosa para desvendar o mistério. Assim que tiver a oportunidade, vou ler outros títulos da autora Helena Gomes e esperarei ansiosamente pelos próximos livros de Kathia Brienza.


sexta-feira, 16 de março de 2012

Distância

   Depois de muitos caminhos percorridos, alguns momentos de alegria passageira e outros tantos de solidão, finalmente ela percebeu que não poderia mais viver sem ele. O que estivera procurando durante todo esse tempo? Precisava ter certeza sobre seus sentimentos, não queria e não devia continuar com um relacionamento sem a convicção de que aquilo era o tudo o que sua alma e seu coração precisavam. Por fim, ligou para ele e pediu que se encontrassem para conversar.
   Será que aquele era o lugar certo? Encontraram-se na pracinha em que, tempos atrás, viveram muitos momentos felizes. Ele já estava esperando-a, sentado em um banco com sombra. Assim que chegou, foi ela direto ao assunto:
- Eu preciso te falar uma coisa, Eric. - disse rapidamente, com emoção.
- E eu tenho uma coisa muito importante pra te contar. - Ela ficou um pouco estarrecida, esperava que ele ouvisse o que ela teria a dizer antes de tudo, mas resolveu aguardar.
-Ah, então é melhor você falar primeiro.
- Eu estou namorando agora Jasmine, foi uma coisa que começou de repente. - Chocada, ficou sem saber o que fazer. Não esperava por uma notícia dessas, destruindo toda a cena que imaginara, tudo o que planejava: o reencontro emocionante e feliz, e depois um beijo que selasse o amor dos dois eternamente. Para ganhar tempo, perguntou:
- Uhm, você está feliz?
- Sim, muito. - Eric hesitou ao responder. Nesse momento, percebeu que não tinha mais o direito de pedir que ele a aceitasse de volta. A única coisa que podia esperar era que ele ainda a amasse, mas isso não parecia mais possível. Infelizmente, o mundo não esperara por Jasmine enquanto ela se decidia. Resignando-se, porém, com os sentimentos destroçados, disse:
- Que bom, tudo o que eu quero é que você seja feliz. - E realmente era verdade: ele merecia isso, principalmente depois da fase ruim que tiveram, e ela teria que conviver com sua escolha.
- O que você tinha para me dizer? - Eric questionou, curioso.
- Ah, nada. Deixa pra lá, não era importante mesmo. Eu preciso ir... Boa sorte!
   Virou as costas e saiu andando muito rápido, praticamente correndo. Sabia que se esperasse mais um pouco, começaria a chorar. "E novamente, eu quero poder fechar os olhos ao seu lado e não sentir o tempo passar..." uma última vez, pensou.

domingo, 4 de março de 2012

Silêncio - Becca Fitzpatrick

   Silêncio é o terceiro volume da série Hush, Hush (precedido por Sussurro e Crescendo). Nora Grey é uma  garota de 17 que tem sua vida drasticamente alterada quando conhece Patch e começa a descobrir sobre os misteriosos anjos caídos e seres imortais.
   Todos os livros da série de Becca Fitzpatrick são muito emocionantes: você não consegue parar de ler até que chegue o final. Porém, entre um livro e outro fico perdida, já que a trama tem muitos detalhes e não há uma breve sinopse dos volumes anteriores como em algumas séries.
    Crescendo foi cheio de revelações. Em Silêncio, Becca concluiu a maioria pendências estabelecidas no livro anterior e deixou, mais uma vez, uma grande deixa para o próximo volume. Estou muito ansiosa para o lançamento seguinte! Como a história de Nora e Patch vai terminar?
     Se você já leu Sussurro e Crescendo, não perca este livro, é uma ótima sequência, sem decepções! Caso ainda não tenha lido a série, comece já!

Título: Silêncio 
Autor: Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Ano de lançamento: 2012
Páginas: 304